15 setembro 2007

Ainda existe solução

“...Pode vir alguma coisa boa de Nazaré?...” (João 1:46)

Natanael não era o único a pensar dessa maneira, a idéia do Messias nascer em uma cidade simples como Nazaré não era muito atraente, ainda mais em um estábulo, os fariseus e os escribas pareciam estar convencidos disso, pois nenhuma classe confrontou tanto Jesus com a intenção de provar que Ele não era quem dizia ser quanto eles, onde quer que o Mestre estivesse, lá estavam eles questionando tudo o que Ele dizia, o próprio Jesus chegou à advertir seus discípulos a se guardarem dessa gente, mas em nenhum momento Ele fugiu das perguntas maldosas deles, por mais polêmico que fosse o assunto. Em contrapartida, as respostas de Jesus continham a mesma simplicidade que o acompanhou desde seu nascimento e eram tão diretas e convincentes que deviam tirar o sono dos estudiosos, Ele usava exemplos ligados a pesca e coisas do cotidiano e conseguia definir como ninguém os fatos relacionados ao Reino de Deus . Os doutores da lei se rendiam, mesmo que involuntariamente, à sabedoria do carpinteiro nazareno. Jesus jamais usou suas prerrogativas de Filho de Deus, a Bíblia relata que sua entrada “triunfal” em Jerusalém se deu sobre o lombo de um jumento, as críticas e perseguições nunca endureceram seu coração ou o fizeram desanimar ou se desviar de seu alvo e também os aplausos não o iludiram.

O questionamento de Natanael estava respondido: – “Pode sim haver algo de bom em Nazaré.”

Quanta diferença vemos hoje quando pensamos no evangelho pregado por tanta gente. Será que algum dia ainda seremos questionados se por acaso pode haver algo de bom no meio de tanta coisa estranha? Espero que possamos, principalmente com nossas atitudes, assim como Jesus, mostrar que de onde não se espera ainda pode sair muita coisa boa. Na minha opinião, a saída para a igreja de hoje está em colocarmos em prática o evangelho pregado e vivido por Jesus, chega de mega-pregadores, mega-templos, mega isso e mega aquilo, é deprimente ver os cristãos lutando uma verdadeira “guerra santa” para provar quem entende mais das coisas espirituais ou quem tem a maior unção, enquanto deveriam estar lutando pelos mesmos objetivos.

A mudança deve começar primeiramente em nós mesmos. Eu, particularmente, prefiro adotar como modo de vida a sabedoria simples e eficiente de Jesus do que a arrogância intelectual e inútil dos fariseus, mas a escolha é de cada um.

Que Deus abençoe a todos.

2 comentários:

Letícia disse...

Só posso assinar embaixo de tudo o que escreveu. Perfeito.

Ines disse...

Olá meu amigo!!!
Qto tempo hein???
Teus posts cotinuam muito bons, edificantes!
E sa,e eu tbém acredito que ainda há uma esperança.... prefiro a simplicidade do Senhor Jesus, mas com ALTA eficácia, rs... do q a pompa e o glamour até de alguns pregadores.... afff... q Deus tenha misericórdia de cada um de nós. E que Ele nos capacite a cada dia mais, para ganharmos vidas pra Ele, pra honrarmos o Nome dEle!
Amado, por conta do bigblogger mtas vezes não abrir, e tbém em vista de uma nova fase q estou vivendo, fiz um blog novo, me visite, please, e deixe seu oizinho, ok? rs
www.romperlimites.blogspot.com
Tenha uma semana de mtas bênçãos, em nome de Jesus!
Beijinhos